E foram felizes para sempre... contos de fada na vida real.


Há quem acredite que o amor pode (alguns até acham que 'deve') durar para sempre! E outros, que o amor vai se desgastando com o tempo e que se acaba. Mas qual dessas crenças para você seria a verdadeira?


Bom, nesse campo tão complexo dos relacionamentos não podemos afirmar nem um e nem outro como verdade absoluta. Há, contudo, um fator interessante a favor daqueles que ainda sonham com o grande amor. Esse fator é explicado pela neurociência e a Análise do Comportamento. [Ui... que bichos estranhos são esses? Calma.. vamos explicar melhor].

Vamos primeiro olhar para o nosso funcionamento. Sabemos que as relações humanas tem um papel de extrema importância na vida. Não é de se admirar que a busca pelo par seja algo tão presente, também! Faz parte da vida a formação de casais e de famílias.


Mas, o que será que faz durar tanto um casamento? A neurociência discute sobre a presença de um sistema de recompensa no cérebro (um conjunto de estruturas cerebrais que, em situações prazerosas, lança no organismo substâncias capazes de gerar sensações de bem-estar e satisfação - associando essas sensações a ocasião que a gerou: uma pessoa, um lugar, uma situação, etc). Então, na medida em que a companhia do outro gera prazer repetidamente, o valor positivo atribuído a ela é reforçado/ fortalecido.


A Análise do Comportamento explica que essa susceptibilidade ao reforço é herdada geneticamente. E que se cada comportamento que 'de certa forma' gera prazer no outro, for consequênciado de maneira positiva, a tendência é que ele volte a ocorrer mais vezes.


Complicado?? Em outras palavras podemos dizer que: expressar o que sente e se sentir aceito pelo outro, se o compartilhar é recebido com carinho, se o contar sobre seu dia é ouvido com atenção - há grandes chances desse sistema de recompensa ser ativado, e ainda, aumentar a probabilidade desses comportamentos ocorrerem novamente. Ou seja, uma troca de satisfação entre o casal com altas chances de se repetir ao longo do tempo. E isso poderia ser chamado de uma relação de amor. Troca de afeições, carinho, uma palavra de conforto, risos, que geram prazer e quanto mais acontece mais e mais se repete. Há quem diga que se quiser ser amado ou mesmo amar, basta se comportar como quem ama.


Taí uma ótima explicação e entendimento dos grandes entrosamentos e afinidades. Mas sabemos que na vida nem tudo são flores. O relacionamento é sempre uma grande construção, concessões, compreensão, respeito... enfim, se vai durar para sempre, isso vai depender de muitos fatores. A grande notícia é que é possível sentir-se apaixonado anos e anos pela mesma pessoa. O casal pode descobrir inúmeras formas prazerosas de construir o relacionamento, e isso, antes de qualquer coisa é de responsabilidade de cada um. É uma importante responsabilidade e mais que isso, uma grande dádiva - a nossa autonomia de escolha de nossas ações, tendo em vista suas consequências.


Que tipo de relações você quer construir?? Basta olhar para o que está fazendo...

#amor #casal #paixão #neurociência #relacionamentos #sentimento

Destaque
RSS Feed
Artigos Recentes

Receba artigos exclusivos

Tags
Nenhum tag.
Siga-nos
  • Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square

Se gostou do artigo, compartilhe e deixe seu comentário.

 

​© 2015 Cristina Okamoto. Todos os direitos reservados

 

Contato:

Rua: João Wycliff, 111  

Gleba Palhano  |   Londrina-PR

(43) 9 9122-6835